terça-feira, 12 de outubro de 2010

MACUMBA, MAL OLHADO E INVEJA PODEM MESMO TE ATINGIR?!


Sei que escolhi um tema espinhoso, todavia necessário aos esclarecimentos sobre o processo de crenças.
Cada um de nós é livre para escolher e decidir em que vai acreditar e consequentemente o que será em decorrência desta escolha.

Minha abordagem aqui não tem nenhuma intenção de desmerecer ou fazer pouco da crença de quem quer que seja, busco apenas sugerir, esclarecer e apontar alternativas para que você, como sempre, faça as escolhas.

Mas não podemos ser ingênuos e achar que resolveremos todos os problemas com um simples texto. Apesar de lá no fundo eu acreditar nisso.

Como já disse em artigos anteriores você é aquilo que acredita ser, tem aquilo que acredita poder ter e faz aquilo que acredita poder fazer. Simples assim.

E por ser tão simples, logo cai no descrédito, pois simplicidade demais assusta, uma vez que se imaginávamos o problema muito maior, logo a solução "deveria" ser mais elaborada e complexa. Sinto muito, mas não é.

Contudo não devemos desprezar a forte influência do meio em que vivemos e as pessoas que o compõe na sedimentação de nossas crenças atuais. A influência do meio é avassaladora, mas não impossível de ser modificada.

Olhe a foto acima. O que pensa quando olha? E mais: O que sente? Sim, vamos um pouco mais além: Se encontrar uma dessa na porta de sua casa, como se sentiria? Imagine. Perceba o que sente, pois isso pode lhe dar pistas consistentes do que significa para você essa crença. 

A mensagem que desejo passar aqui é: Macumba, mau olhado, inveja, maldição e etc irão lhe atingir na mesma medida em que acredita que elas possam. Veja, não é uma coisa superficial. Conheço pessoas que desdenham disso, mas morrem de medo por dentro. Evitam transparecer, mas vibram dessa forma. Aí, meu caro, minha cara, a macumba vai "pegar" mesmo.

Nossa mente funciona e interage com símbolos. Os símbolos são ferramentas potentes na alavancagem emocional de uma crença. Imagens de santos, desenhos, geometria, imagens, rituais e sons atuam em nosso subconsciente em conjunto com as crenças que podem estar um tanto adormecidas ou esquecidas há algum tempo, sem, no entanto perderem sua eficácia de influenciar o subconsciente e fazer, através deste, um belo estrago.

As religiões, as seitas, as forças armadas, empresas e todas as organizações que atuam com público de uma maneira geral, buscam nessas ferramentas potencializar suas intenções.

Se trouxer lá do meio da Amazônia um índio nativo que nunca teve contato com esses símbolos, tal como o da foto, e mostrar a ele, ameaça-lo com uma macumba dizendo até mesmo o que poderia lhe acontecer, ele rirá de você dizendo-lhe que isso nada significa para ele. 

Agora, mostre a alguém que já teve algum contato, que "sabe", ou melhor, que foi preenchido com todo este folclore de significados sobre aquele símbolo e logo perceberá uma mudança em seu semblante. Mesmo que não seja um ar de desespero, ao menos alguma preocupação haverá.

Então, macumba, inveja e feitiços funcionam ou não? Vai depender única e exclusivamente de você e muitas vezes também de quem lhe acompanha, sugerindo seu medo a você, na forma de: "chiii", "Olha lá", "caramba, fizeram uma macumba para ti!"

Nossas crenças buscam formas a todo o instante de serem validadas. Às vezes nem estamos pensando naquilo, não conectamos com aqueles símbolos, por estar distraídos ou com outros pensamentos, então chega alguém e dá um toque, diz algo, nos assusta com seu medo e revive aquilo em nós. Isso é uma "manobra" dos nossos eus, na "briga" por prevalecer sua opinião...

Precisamos estar atentos, repito sempre. Nossa atenção dissolve a maioria das dúvidas e nos fortalece por dentro e por fora. E fortalecidos, não há no mundo macumba que nos atinja.

Vejam os evangélicos, por exemplo. Eles utilizam a imagem e o símbolo de Jesus Cristo e com isso despertam dentro deles uma barreira intransponível a toda e qualquer forma de feitiçaria. 

Não por Jesus em si como eles acreditam ser, e sim pela alavancagem que este símbolo provoca e desperta dentro deles lembrando-lhes de quem eles realmente são.
Esse poder então vem de dentro. Da sua porção divina. Te reconecta a sua origem e te transforma em um Deus. E se és um Deus, que macumba irá lhe atingir?


Comentários
2 Comentários

2 comentários:

Ana Rita Costa disse...

Senhor Ronald, adorei este seu texto! Hoje estava com esta pergunta na cabeça, e o seu texto foi uma valiosa ajuda!
Continue o bom trabalho, vou com certeza vir aqui mais vezes!
Obrigada!

Ana Rita.

Ronald Santos disse...

Seja bem-vinda e fique a vontade! Gratidão por comentar.